> Falta de compromisso com a população: Cidadão morre dentro do prédio do SAMU de Codó !

Falta de compromisso com a população: Cidadão morre dentro do prédio do SAMU de Codó !

Posted on quinta-feira, 24 de novembro de 2016 | No Comments

Ambulância do KM 17 socorrendo Codó inteira
Somente uma ambulãncia para atender ademanda de uma população de 120 mil Habitantes

As imagens enviadas por um leitor ao  blogdoacelio mostram paramédicos dentro do prédio do SAMU tentando salvar a vida de um  homem no chão.
Todos os equipamentos usados no serviço improvisado aparecem por perto, mas o lavrador Sirino Coutinho, de 70 anos, morador do povoado Tabuleiro, região da Trizidela, acabou morrendo de infarto segundo nos contou  o irmão dele, Francisco Rodrigues Coutinho.
Sirino  chegou ao posto médico já passando mal, como não há ambulância no Borborema (do bairro Santo Antonio), o paciente foi levado numa maca para o prédio do SAMU, que fica a poucos metros de distância.
 “Como tava sem ambulância na hora, eles levaram ele pro SAMU, pro prédio do SAMU…QUE FICA PERTINHO ALI…do Borborema pro Samu…LEVARAM NO QUÊ? Levaram na maca, levaram na maca e botaram lá (…) quando chega lá ele já tava revirando assim o olho, aí o pessoal disse – vamos botar no chão pra ficar melhor pra dá massagem nele, negócio tá ruim, aí atacou logo o infarto e pronto”, contou seu Francisco há pouco quando o encontramos no morgue do HGM cuidando do corpo do lavrador
O irmão de seu Sirino entende que tudo que os paramédicos puderam fazer foi feito, porém, mais uma vez ficou evidente o grave problema mostrado pela TV Mirante hoje, ao meio dia, no Jornal do Maranhão – a falta de ambulâncias para atender a população.
O CAOS DO SAMU
Das 5 ambulâncias que existem na cidade, todas estão na oficina, quebradas. Desde terça-feira, acompanho a rotina do SAMU pela manhã e só as motocicletas estão levando os enfermeiros para algumas ocorrências.
Para minimizar a gravidade da situação, a coordenação, agora a cargo de Messias (o mesmo do TFD – Tratamento Fora do Domicílio), trouxe a Ambulância do KM 17 (que ficou sem).

Ontem, 23 de novembro,  Messias prometeu-me que ontem mesmo, à tarde,  duas ambulâncias sairiam da oficina.
Isso não aconteceu porque hoje, 24, pela manhã nós estivemos com a secretária municipal de Saúde, Larissa Barros, e ela nos informou que Messias havia dito à ela que pelo menos duas ambulâncias sairiam do conserto, hoje, 24 de novembro.
Fato é que no momento da morte do lavrador, por volta das 11h40 da manhã,  a única ambulância que estava em funcionamento continuava sendo a do KM 17, pelo que relatou o irmão da vítima e ela  estava numa ocorrência.
SEM CHANCE
Concluo que  Sirino Coutinho não teve a chance de ser levado para um hospital com a urgência que o caso necessitava.
 “SE TIVESSE AMBULÂNCIA LÁ, A AVANÇADA, PORQUE TEM A AVANÇADA? Eu acho que ele tinha demorado mais ele morrer, mas de ter livrado da morte não livrava não, do jeito que tava lá…MAS NÃO TINHA AMBULÂNCIA? Não, a ambulância tava atendendo outra ocorrência, né, foi o que falaram”, respondeu seu Francisco.
Fonte Blog do acelio

Leave a Reply

Tecnologia do Blogger.