Rádio Eldorado de Codó

terça-feira, 19 de maio de 2020

Baixo Tocantins sem UTIs nem remédios


No Baixo Tocantins, que abrange os municípios de Abaetetuba, Acará, Baião, Barcarena, Cametá, Igarapé-Miri, Limoeiro do Ajuru, Macajuba, Moju, Oeiras do Pará e Tailândia, os casos de infecção pelo novo coronavírus crescem assustadoramente e alarmam a população. O primeiro caso foi no dia 31 de março, em Abaetetuba, e na sexta-feira passada a região já contabilizava 2.330 casos positivos e 133 óbitos, conforme dados das secretarias municipais de Saúde. 

O colapso do sistema de saúde é evidente. Só existem dois hospitais em toda a região, com nenhuma UTI. Os movimentos sociais, unidos em uma “Frente em Defesa e Desenvolvimento do Baixo Tocantins”, reivindicam do Governo do Pará um hospital de campanha com pelo menos 60 leitos exclusivos para o atendimento de pacientes da Covid-19, equipado com respiradores, tomógrafos e profissionais de saúde habilitados, além da ampliação da oferta de leitos nas estruturas hospitalares já existentes.

Com uma população de mais de 600 mil habitantes, a maioria moradora de vilas, distritos e comunidades, entre rios e florestas, e com rendimentos de até meio salário mínimo por pessoa, o Baixo Tocantins simplesmente não tem nem como oferecer atendimento de saúde primária. Mesmo assim, o governador Helder Barbalho respondeu via redes sociais que não acolherá as reivindicações, porque "o Hospital de Campanha do Hangar, em Belém, irá atender os pacientes da região do Baixo Tocantins" e um helicóptero poderá agilizar o traslado, medida considerada insuficiente pela população, vez que o sistema de saúde da capital também colapsou e não consegue atender sequer os pacientes da região metropolitana. 

Foto de Flávio Contente, em Abaetetuba/Blog da Franssinete Florenzano

Nenhum comentário:

Postar um comentário